Jessie Miranda

Minha foto
Até nas flores encontra-se a diferença da sorte; umas enfeitam a vida, outras enfeitam a morte!

terça-feira, 7 de fevereiro de 2017

Lua

E ela, que dormia encostada na vidraça do coletivo em movimento, semicerrou seus olhos e deparou-se com a magnitude do seu amor. A lua.
E a desta noite,  ela que, mesmo sem ter aproveitado o seu dia, mesmo tendo dedicado toda sua boa energia à outras pessoas, que provavelmente não verá nunca mais.
Ela, por três segundos, aproveitou sua noite, por causa da lua.
De todos seus amores, a primícia de todos eles vêm da LUA AMARELA e, por amá-la desta forma, esta noite amou tudo que está em seu coração, suspirou, fechou os olhos e dormiu novamente, pois lá, exatamente lá, nos sonhos, onde a lua está sempre como ela ama, amarela e majestosa, ela encontra seus amores, enlaça-os num laço de nó. Eternamente.

Até os que já se foram, que partiram para sempre, e vivem através do amor, essa saudade ardente.

Por: Jéssica Miranda.
(07/02/2015)

quinta-feira, 5 de janeiro de 2017

As minhas asfixias,
Surgem quando mergulho.
Acidentalmente.
No meu oceano mais profundo.

Das minhas asfixias,
Que se dão quando enxergo a linha do horizonte e nada vejo,
Mas é tamanha sua magnitude,
Que desperta-me grandiosos sentimentos.

Guardados a sete chaves.
Até de mim.

Por: Jéssica Miranda
____________________________________

quarta-feira, 4 de janeiro de 2017

O que permitiremos da vida para nós!?
O que poderá ser efêmero, um instante, momentâneo...
Decerto que os pequenos instantes de alegria, euforia, contentamento no que quer que tenhamos prazer, é um néctar para a alma.
Porém, não é na embriaguez, mas na ressaca, que encontramos a reflexão sobre quem somos. Ou quem desejamos ser.

quarta-feira, 21 de dezembro de 2016

Sexismo atuação sútil e invisível do culto ao corpo alheio

É extremamente triste constatar que:
A mulher não tem nem o direito ao prazer de tomar um sorvete tranquilamente na rua.

Até nos nossos mínimos movimentos, infelizmente, o sexismo atua.

Toda ação começa no pensamento.
É para se refletir.

quarta-feira, 14 de dezembro de 2016

"Toda transformação é dolorosa, mas nem toda dor é de todo ruim."

"A arte tem q necessidade de provocar mudanças de conceitos. É provocativa, do contrário, não é arte.
É entretenimento."

A cada dia me convenço mais e mais disso.

domingo, 4 de dezembro de 2016

  Não abandonamos os medos de criança.
A ânsia em crescer, nos faz barganhar os medos maduros dos adultos.
  Os que nos entorpecem, nos endurecem e emburrecem também.
Nessa troca desaprendemos muitas coisas.

Ou tudo.

quarta-feira, 30 de novembro de 2016

Todo vazio é fome.
Todo excesso é gula.

Ganância.

.De todos os beijos que tocaram meus lábios,
Quentes. Molhados, vagarosos e urgentes.
Apenas de lábios, de língua, saliva e dentes,
Em todos estes beijos, haviam a intensão de tomar algo meu para si.

Do seus, apesar de composto por todos esses elementos,
Dos seus, existiu apenas o desejo de doar-se inteiramente para mim.

E da generosidade em doar-se,
Nascem grandiosas coisas,
Ainda que tardias, mas não menos preciosas.

#Fragmentos

domingo, 27 de novembro de 2016

Sentir o verbo

α u t o r r e t r α t o.
#autorretrato

Conjugue verbos.
De preferência os bons.
Todo verbo é ação.
E toda ação precisa de um sentido.

E eu gosto de sentí-los.

sexta-feira, 17 de julho de 2015

NÓS SOMOS A FAVOR DO TRÁFICO!




                                                                                  
“O que me preocupa não é nem o grito dos corruptos, dos                                                                                                       violentos, dos desonestos, dos sem caráter, dos sem ética...
                                                                                       O que me preocupa é o silêncio dos bons.”
                                                                                                                                           Martin Luther King.


Essa frase soa estranha para você que também é contra o tráfico, não?
Pois é, mas mesmo você se rotulando contra o tráfico, você apóia o tráfico todos os dias!
Nós, essa sociedade egoísta, hipócrita e alienada, somos os maiores – ouso dizer até únicos – responsáveis pela morte de jovens (brancos, negros, japoneses, mamelucos, caucasianos, ou qualquer coisa) todos os dias nas comunidades do Brasil.

Sim. Eu disse; nós. Somos nós que armamos o tráfico, nós que puxamos o gatilho que matam os nossos jovens, nós que roubamos as oportunidades dos jovens que sobrevivem no morro. 

Como isso? Explico.

 Ao ser CONTRA a legalização das drogas, você FORTALECE o tráfico nas comunidades carentes. E carentes de TUDO! 

Quando você fica doente, normalmente, corre até uma DROGARIA para poder tomar um remédio que aja e te deixe melhor, pois bem, como o próprio nome já diz, você está tomando uma droga para se sentir melhor. E não pense que a indústria farmacêutica é boazinha quando fabrica os remédios. Não. Há muitas conversas – que não sei se são tão conversas assim – que médicos e químicos já descobriram a cura para doenças graves E A INDÚSTRIA FARMACÊUTICA NÃO PRODUZ! Claro, é mais lucrativo depender os necessitados do que curá-los!


    Não ser a favor da legalização das drogas, faz com que financiemos o tráfico, nós permitimos que o tráfico tenha capital de giro para comprar armamento de policiais tão criminosos quanto os próprios traficantes. Nós damos o poder para eles TODOS OS DIAS não sendo a favor da legalização das drogas. Somos nós que tiramos a vida e as oportunidades dos jovens, todos os dias, não sendo a favor das drogas!

Enquanto estamos parados discutindo a moral do: “As drogas são ruins e não devem ser legalizadas”, existem jovens morrendo – e mães chorando – estes mesmos jovens, vendo no tráfico sua ÚNICA oportunidade de ser alguém. É louco, mas dentro daquele universo, acabam sendo mesmo.


      Vinho, cerveja, vodka, uísque, charuto, cigarro, remédios e etc., todos, eu disse todos, são drogas legalizadas. Porém sobre elas, há orientações sobre os riscos de seu uso. Usa quem quer; consciente de seus riscos ou não. Há propagandas de cervejas nas TVs (a maioria das pessoas, acha bonito) e quando eu era criança lembro que as TVs transmitiam campanhas de cigarro, hoje não mais. Os cigarros são vendidos com imagens e mensagens sobre os riscos de seu consumo. Remédios possuem bula e suas propagandas têm observações sobre seu uso de modo indevido.  


E O TRAFICANTE?


BOM, ele vende fiado, às vezes, cobra a dívida com sangue. Mistura drogas para torná-las potencialmente mais dependentes, aí, vendem como uma “ervinha inofensiva”. Ah! E não avisam sobre os perigos de seu uso, não! Não querem nem saber.
Recrutam jovens que, sem oportunidade e perspectiva, são facilmente ludibriados com “o seu lugar ao sol”. Podendo assim, comprar o tênis, a roupa, “o ambervision, frigi-diet, celular, master-line , camisinha, camisola e kamikaze” ou qualquer coisa que a classe A/B esbanja por aí, e que agora com as redes sociais conectando cada vez mais os universos,  sem que a diferença entre eles diminua, estejam certos que, estes desejos em quem não possui tanto, ou tantas oportunidades, só tendem a aumentar. É tão claro e cristalino quanto o rio Tietê já foi um dia que, com isso, a criminalidade SÓ aumenta. E você aí contra a legalização, enriquecendo os tráficos.

Bem, eu sou USUÁRIA de medicamentos quando preciso, eu sou usuária moderada do álcool, porém sou consciente de seus malefícios quando o uso é exacerbado, como também dos benefícios quando o consumo é moderado.
As demais, nunca me apeteceram.

Diferente do Tietê, que está poluído, a poluição não está nos traficantes e ou usuários, está nos olhos turvos, nos ouvidos sujos e pulmões infectados da população pseudo moralista, pois é nela que está toda essa sujeirada. Afinal, tudo tem seus dois lados, mas é mais fácil apontar seu extremo.

E você aí, sentado, contra a legalização.
E você aí sentado, a favor do tráfico e da morte de quem já não tem mais nada a perder.

quinta-feira, 16 de julho de 2015

Espinhos

Aí está.
O ciúme que não se via ou sentia.
Aí está.
É na ausência,  sempre na ausência, do que não se tem que ele aparece.
Aí está.
Alguém que depende, que se tornou alguém, que novamente, deixa de ser alguém... Tão belo para si.
Aí está.
Nas linhas invisíveis do que doamos é que se imprime sem ver, o que vamos nos tornar com o que vamos receber.
Aí está.
Agora alguém que nada mais tem a oferecer ao outro.
Aí está.
Esparramado e torcendo o veneno líquido que foi derramado.
Aqui estou.
Sem estar.

Por: Jessie                         

                                       Tal como Clarice, a        dor me faz sentir.

terça-feira, 14 de julho de 2015

De coração para... De um coração que para por não saber.

"...Saber amar,  saber deixar alguém te amar..."

Das coisas mais tristes que se pode constatar a maior delas é:
Quando você acha que sabe amar e percebe que desaprendeu. E pior, nem sabe mais receber amor.
De tanto ser um, desaprendeu a ser dois.

Pior do que não ter amor no coração, é ter e não saber mais como manifestar.

terça-feira, 2 de junho de 2015

Reverência

E me curvo, diante do silêncio, da respiração presa pela expectação do espectador.
E sou tomada por seus silêncios, suspiros, pausas dramáticas e, até, um leve movimento para encontrar a melhor posição e acompanhar atento o que sucederá diante de seus olhos. 
Do lado de cá do palco, somos mais que espectadores, nós, os artistas, somos no som da palavra, como quem nos assiste; expectadores. 
Nunca, em qualquer palavra pertencente ao dicionário, um homófono* foi tão bem empregado.
                Somos nós, os carentes de atenção, esperando por cada movimento sutil da platéia e que sugira um registro de emoção interna, ainda que exteriorizado  de uma forma imperceptível aos sentidos do emitente. Nós, os artistas, principalmente da arte viva, da arte que depende do espectador para sermos completos, nos tornamos, também, expectadores de sensações . Quando acabada a execução da nossa arte viva, a atmosfera do espaço coxia/palco/platéia, é a exata simbiose entre nós; os reais expectadores com os reais espectadores. 
Disse e repito: me curvo, diante do mágico enlace natural de expectador e espectador, enlace este, que é o verdadeiro alimento da alma do artista.

Por: Jessie Miranda.

sábado, 7 de março de 2015

Nos sonhos

E aí, no sonho, em meio a uma tumultuada noite de fuga, dessas todas aventuras sem sentido que vivi, durante alguns anos, que busquei por ter deixado parte da minha identidade em alguém. Em meio a noite em que a brisa mal circulava, o asfalto molhado pela chuva, que havia acabado de acontecer.
  Fugia. Das motos, dos carros que, secretamente, eu havia batizado de corvos, ou covil mesmo (no pior dos sentidos). Houveram destes, alguma sinceridade e interesse puro, mas, no dia da fuga, nenhum destes estavam por lá.
  Em meio ao medo, angustia, agonia e uma respiração ofegante que parecia nunca cessar, livre, mas presa, em becos escuros, um matagal sem sentido que não findava no olhar, em meio a tudo isso, escolho entrar em um desses caminhos, mesmo sem saber onde ia dar.

De lá, bem ao fundo ouço vozes, gritos e risadas altas, mas distante, de olhos fechados e cabeça baixa, respiro fundo e dou o primeiro passo que me encoraja a continuar. Sou barrada com um acidental choque corporal. Toninho (desencarnado). E eu, no sonho, consciente disso. Ele me diz:

- Ô, menina, é você? Olha, não segue por aí, não. Você não vai gostar do que vai ver. (Caminhando com pressa) Vem por aqui, sei de alguém que vai gostar de te ver. Como está o Nathan?

Atônita, seguindo ao lado dele seus passos apressados, respondo:

-  Está bem, Seu Toninho. (pausa) Está um moço lindo, seu neto. Precisa ver...

- Que bom, menina! No fundo eu sei. No fundo eu sabia. Vamos seguir por ali (aponta).

- Ah! Tenho uma foto dele na carteir... Toninho?! Seu Toninho?!

Como todo bom sonho maluco, desses que as pessoas somem do nada, Seu Toninho sumiu. Que esteja em um bom lugar. Sigo no destino que ele indica. Dali, a noite começa parecer despedir-se, noto aquele profundo azul, quase negro, graduar seus tons, lentamente. Olho ao redor, aquele lugar onde fui deixada, parecia um átrio a céu aberto. Sem todas aqueles sentimentos típicos de perseguição, mas triste por seguir sozinha, sem saber para onde nem para quê, uso o mesmo ritual de encorajamento para escolher o caminho e, antes de completar o primeiro passo, alguém repousa a mão no meu ombro esquerdo, uma mão firme, de dedos longos e largos, uma mão que, apesar da lida com o trabalho pesado, era a mão mais macia que já conheci. E aquele perfume... Ah aquele cheiro, eu, amo sonhos que trazem até odores como composição, são sempre os mais reais, trazem até sensações físicas. E aquele cheiro...único. Inconfundível!

- Pai?!

Como na dança, giro no eixo para o lado da mão que me procurou. Sou acolhida num abraço. Longo, saudoso, eu numa sensação de alívio, ele, de paz. Recebo um beijo na testa, pude sentir - como sempre- até os fios do seu bigode. O laço se desfaz do abraço, e repousa nas mãos. Entrelaçamos as mãos, minha esquecida em sua mão direita, e tudo tão real. Seguimos durante muito tempo assim, unidos, mas calados. Curtindo aquela saudade que, parece que mesmo com a presença, não cessa.
Falar contigo sobre os nossos te contar como estão todos, perceber que está bem, saudável e com semblante de paz, receber mais um abraço de despedida, sem saber que era de despedida. E acordar com o despertador, é como todas as vezes em que precisou me acordar.

- Acorda filhota, está na hora.

Obrigada, por me acordar, por vir me visitar. Obrigada.
Beijos.

quarta-feira, 4 de março de 2015

Aos que querem ser atores





À vocês que querem ser atores, o meu relato, meu depoimento, sem modéstia, acho que vale à pena ler.

A vocês que querem ser "artistas", atores, para ir para a TV globo e ter alguém passando o pincel de retoque em sua maquiagem, para aparecer na TV para suprir o próprio ego, para pai e mãe ver, pela popularidade, pela melhor aceitação perante a sociedade e, pelos motivos mais perigosos, pela fama, e pelo dinheiro "fácil".

Aqui segue minha dica e o meu relato:

Pós formação, entre para uma cia de teatro, entre em cartaz em seu próprio espaço cênico (teatro) ou alugue um, fique no mínimo três meses em cartaz, com seu pagamento sendo apenas bilheteria.

Ensaios. Vá todos os dias ensaiar durante os 4 ou 5 meses, sem receber por isso, todos os dias indo trabalhar por sua conta. Confeccione seu próprio figurino, COMPRE TUDO QUE PRECISAR COMPRAR, sendo, ou não caro.Voltando ao tema "temporada", convide todos aqueles 1000 e poucos "amigos números" de suas redes sociais e, espere receber uns 20 desses em todo o período de temporada, ouça as desculpas mil. Perceba que, após o fim da temporada, os "lucros" não vão pagar nem uma semana daqueles tempos de ensaio.
Se isso não te corroer a alma, se você achar, ainda assim, uma experiência incrível e ainda quiser virar ator; seja bem-vindo.

Vire, dentro deste grupo, quem escreve e envia o projeto para vender, o figurinista, o cenógrafo, o maquiador, para saber o valor de tudo isso, claro, sem menosprezar tais profissões e/ou funções, mas pense assim porque faz parte do processo, porque faz parto do todo. Ser parte de tudo aquilo.

Vire seu próprio montador, carregador, iluminador.
Se na falta de material para compor um personagem, você pinta seu próprio pé com tinta spray, fica com o pé de molho no tíner, removedor e/ou derivados e, ainda achar graça e apesar do ardor na pele ter valido a pena, pois a composição ficou fantástica; seja bem-vindo.

Se você precisa pintar o corpo todo, tomar banho coletivo para tirar a maquiagem corporal, notar que a espuma sai colorida durante uns três dias, e isso não fazer nenhuma diferença; seja bem-vindo.

E, se apesar da carga (literal, ou não) ainda sentir prazer em tudo isso; seja muito bem-vindo!

Rale, se esfole, supere limites sejam eles físicos ou mentais.
Estude, estude muito. Pesquise todas todas as teorias observe a vida como repertório e composição cênica, como toda a arte

Se depois de tantas adversidades, tantos "sacrifícios", depois de um espetáculo você prazer, se sentir realizado por exercer seu papel; seja muito bem-vindo.

Sentar no palco depois que o público vai embora é ainda sentí-los ali; seja bem-vindo.

Se tudo isso fizer tanto sentido quanto subir no palco, seja bem-vindo.

    Por conta do curso livre que fiz na adolescência, eu já fazia uma ideia de tudo isso, mas o falso glamour da profissão ainda me encantava, durante a formação, eu fui literalmente me formando, e me encantando com a tensão das adversidades, a tensão que existe durante o tempo de montagem e, todos os contratempos magníficos que aparecem pelo caminho.
Apesar de ter formação, ainda tenho muito a aprender com tantos nessa escola incessante tanto quanto a fome por me tornar uma profissional melhor, mas sem deixar que o peso dessa palavra me torne insensível.
   Por tudo isso, eu sou apaixonada e tenho certeza que quando falo de tudo isso, meus olhos brilham, pois minha alma acende no mesmo instante que ascende e torna-se tão grande e iluminada quanto o sol.

Se todos esses sintomas persistirem; não procure um médico, não, mas seja muito bem-vindo.
Essas últimas semanas foram bem corridas, cansativas, mas na mesma proporção que foi prazerosa e, é SÓ isso que é VERDADEIRAMENTE VALIOSO para mim.
Por: Jéssica Miranda


domingo, 8 de fevereiro de 2015

Das noites....

E ela, que dormia encostada na vidraça do coletivo em movimento, semicerrou seus olhos e deparou-se com a magnitude do seu amor. A lua.
E a desta noite,  ela que, mesmo sem ter aproveitado o seu dia, mesmo tendo dedicado toda sua boa energia à outras pessoas, que provavelmente não verá nunca mais.
Ela, por três segundos, aproveitou sua noite, por causa da lua.
De todos seus amores, a primícia de todos eles vêm da LUA AMARELA e, por amá-la desta forma, esta noite amou tudo que está em seu coração, suspirou, fechou os olhos e dormiu novamente, pois lá, exatamente lá, nos sonhos, onde a lua está sempre como ela ama, amarela e majestosa, ela encontra seus amores, enlaça-os num laço de nó. Eternamente.

Até os que já se foram, que partiram para sempre, e vivem através do amor, essa saudade ardente.

Por: Jéssica Miranda.
(07/02/2015)

domingo, 25 de janeiro de 2015

Faltando três voltas ao mundo para ser Balzaquiana, De Balzac; tomei-me

Honoré De Balzac que, assim como Chico, oh amado Chico, Chico este de uma a cem mil mulheres, assim como tantos (e raros) como o Chico, Balzac soube extrair através de seus olhos, dnas que habitam os corações femininos, os corações feministas.
Não estes contemporâneos, falo da essência, apenas a essência.

E, através de tantas pesquisas, estas que, acidental e inconscientemente experimentamos na vida, na arte, na sorte de ter nascido mulher.

Dedico à você Rosa, minha Rosa, Rosa do Pequeno Príncipe de cada ser, dedico a ti, imagens músicas e prosas para que possas sempre viver.

HONORÉ DE BALZAC

"...Quanto mais longa tiver sido a resistência, tanto mais poderosa será a voz do amor..."

"...Permaneceu ereta e forte como uma árvore que houvesse suportado o golpe de um raio sem ser abatida. Sua dignidade se elevou, sua realeza a fez preciosa e quinta-essenciada. Como todos que se deixam adorar por quaisquer cortesãos, ela imperava com os seus defeitos..."

"...Seu orgulho a preservou dos tristes amores da província. Era a nulidade dos homens que a cercava e o nada, uma mulher tão superior teve de preferir o nada. Tanto o casamento como a sociedade constituíam, assim, um mosteiro para ela. Vivia para a poesia, como a carmelita vive pela religião..."

quinta-feira, 15 de janeiro de 2015

Geração Y ou "Jerassam Ípssuloum"

Olha, sei que a geração Y, é no geral, superficial, em tudo.
E, que durante o passar dos anos, foram criadas diversas tecnologias para nos "auxiliar" nas tarefas múltiplas e, assim, "otimizar" nosso tempo...
Oh, não! Ledo engano.

 "Ah! Mas não, isso não dá. Isso não pode, vou perder aqui meu tempo fuçando vídeos inúteis." 
-,-"
¨¨
É frustrante!
Não é possível, que dislexia tenha virado viral, gente, mas ao cabo que as coisas andam, dadas as devidas proporções é de se duvidar. 

Eu, que nem sou assim, propriamente, uma expert em letras, mas tenho meu interesse em leitura, agradeço a minha mãe, o incentivo nos gibis, que mesmo com um personagem falando (escrevendo) errado (tive uma professora na 5ª série que questionava a minha leitura, nunca esqueci, e eu argumentei: "Mas professora, ler o errado e conseguir identificá-lo sempre, não é uma forma de confirmar que eu sei o certo?" Tive uma reticências como resposta), voltando, que mesmo que o personagem falava errado, só me fazia perceber a diferença de um personagem para o outro.

Obrigada Cebolinha, Mônica, Cascão, Magali, e demais personagens. Obrigada Maurício de Sousa. Obrigada MÃE!!!
Por todo o aprendizado.


Retormando,  o raciocínio da minha "pseudo revolta", deu-se por esta publicação.
Leiam este link (este mesmo, a palavra link) depois de terminar de ler meu desabafo aqui.

Eu adorei a charge.
Estou replicando a publicação de uma amiga que escreveu algo sobre pesquisar no google e já era, mas gostaria de salientei outro ponto ainda mais grave, ao meu ver nesses tipos de pesquisa:

Ler as primeiras linhas ver que o conceito se aproxima do que estão procurando e dar "cóp.+cola," sem, se quer, terem lido o conteúdo todo.
Triste, triste também ver esses sites que intitulam-se, muitas vezes, jornalísticos, cheios de pautas e etc., "contratar" serviços de um "blogueiro" (mesmo que isso pareça irônico, justamente por o canal que vocês estão lendo este reclame, aqui, em um blog, mas o que quero frisar, é a falta de critério para contratação de profissional) pegar um blogueiro qualquer, para criar textos para devidas pautas. É o fim, gente.E, com isso, eu que não sou, escritora, jornalista, tampouco formada em letras e/ou afins, pegar vários erros de português nessas matérias, é de partir o coração. Literários, reviram-se em seus caixões.
Abrindo um pouco mais a questão para além da escrita, estamos beirando um ponto de crise futura, sei que os mais visionários já dirão que estamos, propriamente, dentro da crise, mas quero falar da crise como o CAOS propriamente dito, como o apocalipse em cada área de trabalho. Todo mundo sabe tudo, mas não conhece nada. Absolutamente nada a fundo. 
Ao passo que reclamamos dos políticos, fazemos parte de uma sociedade preguiçosa, reclamamos dos seus governantes, mas, muitos, não movem uma palha para serem pessoas melhores e, assim melhorarem suas condições e vida.
Reclamar da falta de estrutura é fácil, muito fácil, colocar a culpa no outro pela sua incompetência, traz comodismos, agora se interessar por pensar, refletir, exercitar, dá trabalho.
Pensar é trabalhoso demais!
Infelizmente é assim que muitos pensam. Infelizmente.

quarta-feira, 14 de janeiro de 2015

Astro Rei

O céu estava azul. Bastou despir meu corpo para o sol tocar minha pele, As nuvens cinzas cobriram meu calor. E não puder sentir aquele imenso sol de verão tocar minha pele. As sombras tomaram conta. Não desejava tomar a fresca, tampouco manter a pele alva. 
Queria sentir o calor, queria sentir a chama que acende a vida. Fui impedida! A diferença de temperatura, foi percebida, tocada, sentida. Tortuosa, trouxe-nos um será interno, pois, no fim, a gente nunca sabe. 
Contestando luz e calor que nos mantinha aquecidos, foi com frieza foi pela frieza que cobri meus sentidos.
Já não saberia dizer se fui mais gelada, que o próprio dia nublado. Senti desejo pelos dias claros, pelos dias quentes, pelos dias de calor e luz sobre o corpo, até das noites, em que luzes emitidas por vontade, por desejo do outro, acendiam simultaneamente sobre minha cama, como mágica.
E apesar sedenta pelo calor que nos doura a pele, a cada dia desejo que ele me queime, ainda que assim, à distancia.


Astro rei, continue aquecendo e alimentando meu ser, pois é da sua chama que minha labareda alimenta-se.

Texto original de: 23/03/2011.
Reescrito e publicado: 14/01/2015.

Por: Jéssica Miranda.

domingo, 23 de março de 2014

"ValorEasy"

E rasgo, rasgo mesmo, toda a roupa que me casta, que me castra,
Que me coloca pudor, ainda assim, só sou capaz de me sentir nua,
Se tentarem da minha pele arrancar meu valor.


Por Jéssica Miranda.

Winter Is Coming


Quando estive por lá, o verão durou mais tempo.
Levei o sol, o calor dos dragões para as muralhas geladas.
O sol e o calor foram levados e trazidos comigo.
Quando regressei, o inverno estava chegando novamente nas muralhas.
E dias frios lhe eram prometidos.

Que os Deuses sejam piedosos!


"Winter is coming"... is coming for you.


____________________________________________________

Engraçado quando a ficção dá sentido a realidade e não o contrário.

Me parecem sinais.

E gosto disso

sexta-feira, 22 de março de 2013

....


Sem sentir....
Sem assunto.
Sem dor.
Sem amor.
Sem motivo

Sentindo...
Assunto.
Dor.
Amor.
Motivada.

Antigamente minha boca devorava meu coração.
Atualmente meu coração devora minha boca.
Há pensamentos, mas não há palavras.
Há sentimentos, mas aparentemente sem motivo aparente....

Aos poucos voltando a escrita.

Dedicado a BettyFlor, obrigada pela "bronca", novo texto no blog, nada perto dos anteriores mas enfim, saiu alguma coisa.

segunda-feira, 16 de julho de 2012

Carta de Leo Lama sobre a morte do Plínio Marcos

Dia 19 de novembro é aniversário da morte do meu pai, escrevi este texto no
dia em que ele morreu: 19 de novembro de 99.


Meu pai morreu. Todo pai morre. Agora estou aqui pensando: o que foi que meu
pai me deixou? Apartamento? Não. Carro?Nem uma bicicleta. Dinheiro? Ele não conseguia pagar nem as próprias contas. Mas pagava a dos filhos. Roupas? Só um chinelo velho, mas meu pé é maior. Sem testamento, sem herança, sem nada? As peças. As peças de teatro? De quem são as peças de teatro? Meu pai era escritor. Escritor de teatro. Teatro? Teatro dá dinheiro. Tem gente que escreve peça pra ganhar dinheiro. Não, meu pai não. Não ganhou muito dinheiro com teatro. O que ganhou, gastou. Deu dinheiro pra muita gente. Meu pai não era um bom administrador. Era um "maldito", diziam, um "marginal", mas não era bandido.

Por que ele era maldito, afinal? Será que não pensava nos filhos? Por que não escreveu peça pra ganhar dinheiro? "Ninguém tem direito de pedir a um artista que não seja subversivo.". Meu pai escrevia sobre puta e cigano sem dente. Puta, cigano sem dente e cafetão. Puta, cigano sem dente, cafetão, presidiários, desempregados e fudidos. Puta e cigano sem dente? Puta, cigano sem dente e cafetão é chato, porra! Puta, cigano sem dente e presidiários não dava dinheiro. Puta, cigano sem dente e desempregados não tinha "patrocínio". Mas eu queria tênis americano, eu queria camisa Lacoste, camisa Hang Ten.

Meu pai tinha que ganhar dinheiro. Por que ele insistia em escrever peças sobre puta, cigano sem dente, cafetão e presidiários? Ele insistia. Puta, cigano sem dente, cafetão, presidiários, desempregados e fudidos. E o ator e Jesus Cristo e nada de "comédia comercial". Mas eu queria o meu "All Star", eu queria ter todos os discos dos Beatles. "Pai, me dá dinheiro pra comprar uma guitarra!" E eu tive, eu tive a tal guitarra, eu comprei todos os discos dos Beatles com o dinheiro dele (depois tive que comprar tudo de novo em CD com o meu dinheiro e agora dá pra baixar de graça na internet). Calça boca fina, camisa Hang Ten.

Onde ele arrumava dinheiro? Onde ele arrumava dinheiro pra me comprar tênis "All Star"? Ele achava que isso era "lixo americano". Ele achava que essa merda importada só servia pra aumentar a nossa alienação. Meu pai era generoso. Ele não ia deixar de me dar uma
coisa que eu queria, só porque ele achava que o que eu queria era imposto pela sociedade de consumo. Ele tentava me orientar, mas respeitava minha opinião de adolescente alienado. Onde ele arrumava dinheiro?

Era época de ditadura. Escrever sobre puta, cigano sem dente, cafetão e presidiários, incomodava os "poderosos". Porra, ainda mais essa! Já escreve sobre coisa que não dá dinheiro, mas além de não dar dinheiro, ainda é proibido? "Pai, me dá dinheiro pra comprar disco do Bob Dylan!". Meu pai fez novela, fez Beto Rockfeller. Mas Beto Rockfeller não conta, Beto Rockfeller era A novela, tinha a cara dele, era revolucionária. Ele fazia o Vitório, o melhor amigo do Beto. Ele ganhou um dinheiro, me comprou um tênis, uma guitarra, um...

Mas A novela era na Tupi. A Tupi faliu. Meu pai foi fazer novela na Rede Globo: "Bandeira 2". Mas a Globo é no Rio, o Rio tem praia, ele cabulava as gravações e ia pra praia: "Novela é chato pra caralho, porra! O direito da gente coçar o saco é sagrado.", ele dizia. Ele ia pra praia e lá ficava indignado porque naquela época a Globo não punha negros nas novelas e quando punha era nos papéis de escravo ou mordomo. Meu pai escreveu no jornal "A Última Hora" do Samuel Wainer, onde ele trabalhava, que a Globo botou a Sônia Braga dois meses tomando sol pra ficar escura, em vez de chamar uma mulata pra fazer "Gabriela". A Globo não gostou. Os "poderosos" da Rede Globo não gostaram. Fizeram ameaças, juraram de morte. Em fim, a Globo não dava mais. Quando ele tava por lá, ele bem que quis escrever novela. Afinal, eu queria dinheiro pra comprar tênis, disco, guitarra. Mas novela de puta, cafetão e cigano sem dente? Não, novela de puta, cafetão e cigano sem dente não dá. Se fosse cigano com dente, musculoso e mau ator, aí dava. Agora, cigano sem dente, pobre e fudido, não dá. Então não dá. "Na televisão brasileira, artista estrangeiro morto trabalha mais do que artista brasileiro vivo." Tudo bem, não podia fazer peça de puta porque a ditadura não gostava, não podia novela de cigano pobre, fudido e sem dente porque a T.V. não queria. Então o que que podia?
Não podia nem chamar a Rede Globo de racista, nem nada. A sinopse que ele fez pra uma novela quando finalmente a Globo chamou ele, era de uma tribo de ciganos que estupravam as filhas dos empresários e...bem, não aprovaram. E as portas iam se fechando. E a ditadura ali, descendo o cassete. E eu queria o meu tênis "All Star"! "Pai, porra, pai, eu quero dinheiro pra comprar time de botão!" Mas enquanto os "poderosos" iam dizendo: Não! Não! Não! Ele ia ganhando o respeito dos humildes de coração, um "povo que berra da geral sem nunca influir no resultado", um povo fudido, os marginais, as putas, os ciganos sem dente, os presidiários, um povo que não aparecia na T.V. "Pobre na Rede Globo almoça e janta todo dia". Pobre na Rede Globo tem dente, favela na Rede Globo não tem rato. Esse povo não era o povo dele.

O povo dele era entre outros, os sambistas, não esses de agora, de terno Armani, cercados de loiras recauchutadas, mas, os sambistas das escolas de samba de São Paulo. Os sambistas marginalizados, os que nunca gravaram CD. O Zeca da Casa Verde, o Talismã, o Jangada, o Toniquinho Batuqueiro, o Geraldo Filme, enfim, os que morrem na merda. "Silêncio, o sambista está dormindo, ele foi, mas foi sorrindo, a notícia chegou quando anoiteceu..."

Então a solução era fazer show com os sambistas. Meu pai contava histórias e os sambistas cantavam suas músicas. Mas os sambistas eram crioulos. Negros? Negro não podia. Em plena ditadura, Plino Marcos e "a negrada"? Que papo é esse? Poder, podia, mas ninguém queria ver. "A burguesia não me quer", ele dizia. Não podia peça de puta e novela de cigano sem dente pobre e fudido, não podia dizer que a Globo era racista e ninguém queria ver show com "a negrada". Então o que que podia? "Pai, me dá dinheiro pra comprar figurinha do álbum Brasil Novo!"

A ditadura quando eu tinha 7 anos tava em todo lugar, em cada esquina, no meio de cada casal que fazia "amor com medo", nos porões do Doicodi e nas torturas atrozes que muitos sofriam e eu lá: "Pai, me leva na Expoex, pai, me leva na Expoex! A Expoex é a exposição do exército! Eu quero ver os soldados, pai! Eu quero ver os tanques!" E ele me levava. Senão eu chorava. Eu chorava se eu fosse censurado e não pudesse ver a Expoex.

Quando eu tinha uns 12, 13 anos, lá estava o ônibus da escola pronto pra partir pra Porto Seguro com todos os meus amiguinhos dentro e os pais, do lado de fora, dando tchauzinho. E um amiguinho meu perguntou: "Quem é seu pai?" Eu não tive dúvida: "Meu pai é aquele!" E o meu amiguinho: "Aquele de terno e gravata? Aquele que tá conversando com o meu pai?" E eu: "É, aquele." O meu amiguinho gritou: "Pai, esse aí é o pai do Leo!" E a professora ouviu. Não, meu pai não era aquele de terno e gravata. Meu pai era outro. Era o que todo mundo tava chamando de mendigo. Meu pai era aquele de macacão e chinelo! Gordo de macacão e chinelo! "O pai do Leo é mendigo, o pai do Leo é mendigo!" Afinal, quem trabalha tem que usar terno e gravata.

Naquela época, um moleque de 12, 13 anos, era um tapado. Ou isso era característica minha? "Pai, por que você não trabalha? Pai, por que você dorme até meio dia? Pai, por que o pai do Paulinho tem carro e você não? Por que você chega de madrugada em casa? Pai, por que você anda de macacão e chinelo? Pai, me dá dinheiro pra comprar..." E o meu pai me dava dinheiro. Eu estudava em escola de "burguês". Eu estudei nas "melhores escolas". E olha que o meu pai odiava escola. "A cultura nas mãos dos poderosos constrange mais do que as armas; por isso, a arte e o ensino oficiais são sempre sufocantes", ele dizia. Ele saiu da escola na 4ª série do primário. Ele era canhoto. Na escola, as professoras o obrigavam a escrever com a mão direita. Ele fugiu da escola, ele sempre foi da esquerda. Era chamado de analfabeto. Com 21 anos escreveu "Barrela!". "Me chamavam de analfabeto, como se isso fosse privilégio meu, neste país." Meu avô queria que ele trabalhasse no Banco do Brasil, mas ele queria é subir num banco no meio da praça e fazer números de palhaço. A família chegou até a pensar que ele era débil mental. Meu pai foi pro circo. Ele amava o circo. Foi ser palhaço de circo. Era o palhaço Frajola. A escola dele era o circo, a minha era escola de "burguês". Mas como ele pagava a minha escola?

Foi preso, foi solto, ameaçado, escrevia em jornais e revistas, quase todos que existiam. Foi despedido de todos. A censura não queria meu pai escrevendo em lugar nenhum. O que fazer? Sair do país? Ele não falava direito nem o português. O que fazer? "Pai, me dá dinheiro pra comprar uma calça Soft Machine!".

Uma vez o meu pai tava com uma dívida muito grande, tava com dificuldade de pagar as prestações de um apartamento que ele comprou pra gente. Daí um belo dia a Ford ligou pra ele, convidando pra fazer um comercial. Era uma puta grana, dava pra pagar as dívidas e ficar bem tranqüilo por uns tempos. Meu pai não fazia comercial.

Foi vender livro na rua. Nas portas dos teatros, nas portas das faculdades, nos bares. Foi vender livro na porta de teatros aonde se apresentavam artistas piores do que ele. Ele mesmo editava os livros, ele mesmo ia vender. E podia? Não. Não podia. Várias vezes ele foi expulso pelo "rapa" como um camelô comum. E ele chorava? "Perseguido, o caralho! Eu não sou nenhum mosca-morta. Eu fiz por merecer. Fui uma pessoa que aproveitou bem a fama. Eu apedrejei carro de governador, quebrei vidraça de Banco. Foi uma farra. Não teve mau tempo." Tinha. Tinha mau tempo, mas ele não reclamava, eu nunca ouvi o meu pai reclamando da vida. Eu nunca ouvi o cara dizer que a vida tava difícil, ou que era "foda". Não. Ele só reclamava das injustiças. Ele berrava contra as injustiças, os preconceitos, a apatia. Meu pai é o Plínio Marcos, porra! Bela merda, tem gente que nunca ouviu falar. Pra muitos era só um fudido que não deu certo na vida, andando feito mendigo pelo centro da cidade. Já morreu. Não era melhor do que ninguém. (Não?) "Tudo se consegue com esforço; não se chega a lugar nenhum sem caminhar."

Com 15 anos eu quis sair da escola. Ele disse: "Sai logo dessa merda, eu te sustento até você encontrar sua vocação!" Eu saí, eu saí daquela merda na metade do 1º colegial. Acho que qualquer ser humano com o mínimo de sensibilidade, sabe: o ensino do jeito que é, faz mal pra saúde. Eu devia ter uns 17 anos, era de madrugada. Eu morava com ele. Eu tava na mesa da sala com o violão, triste, querendo encontrar a minha vocação, sem saber o que dizer, inibido, pensando em todos os artistas que eram muito melhores do que eu. Meu pai levantou pra tomar água, me viu ali, não disse nada. Foi até o escritório, voltou com um livro e leu um poema pra mim. "O corvo" do Edgar Allan Poe. Não disse nada, só leu a poesia. Não foi o conteúdo, foi o tom da voz dele, aquela voz doce que ele tinha. Ele declamava e eu ouvia como se ele me pegasse no colo. Foi dormir e me deixou ali, ouvindo o corvo dizer: "para sempre!".

Eu virei escritor, com 21 anos escrevi "Dores de Amores". Meu pai era um incentivador, idolatrava os filhos. Queria ser mergulhador só porque o Kiko, meu irmão, é. A Aninha, minha irmã, era tudo pra ele. Eu fiz vários shows com ele, pelas faculdades, pelos teatros, pelos bares. Ele contava histórias e eu tocava violão. Meu pai era generoso, violento, essencial, amava, amava tanto as pessoas que chegava mesmo a odiá-las. Lutava, berrava e me acordava. Meu pai não me deixou apartamento, carro, dinheiro, bicicleta. Nem o chinelo dele me serve. Eu tive e tenho que ganhar o meu próprio dinheiro. Até hoje, muito pouca gente quer montar as suas peças e muito pouca gente quer assistir. Meu pai já não precisa mais vender livro na rua, pra quem não quer comprar, ou pra quem compra só pra "ajudar".

O que eu mais queria é que ele me ouvisse agora: "Pai, você não me deixou nada que se possa enxergar. Nem carro, nem apartamento, nem bicicleta, nem chinelo. Me deixou a sua indignação, um pouco do seu temperamento, a lembrança de ver você acordando todo dia com uma puta força de vontade, com uma puta vontade de viver, sempre alegre, sempre fazendo piada das próprias desgraças, sempre dando tudo que ganhava pros filhos, sem nunca acumular porra nenhuma." E se ele me escutasse ele diria, com um sorriso malandro sem dentes, segurando as lágrimas: "Ê, Leo Lama!" Meu pai não sabia receber elogios. Mas se ele me ouvisse agora, eu diria:

Pai, eu preciso te contar, no seu velório foi muita gente, pai. No seu velório, estiveram os maiores artistas do país. Médicos, políticos, advogados, empresários, fãs, gente do povo, crianças e os sambistas. Os sambistas cantaram sambas em sua homenagem, pai. Suas mulheres, seus amigos, seus inimigos, todos nós, todos nós te aplaudimos quando o seu caixão foi colocado em cima do carro de bombeiro. Eu tava segurando uma aba, o Kiko a outra. Você foi cremado, pai. Seus amigos fizeram discursos emocionados, disseram: "Plínio Marcos, um grito de liberdade!" Nós jogamos suas cinzas no mar de Santos. Na ponta da praia, onde você passou sua infância. O Jabaquara, seu time, ficou na porta do pequeno estádio, uniformizado, com a mão no coração, vendo o cortejo passar. O povo na areia batia no surdo e entoava um canto mudo no crepúsculo santista e nós no barco deixávamos você escorrer pelos nossos dedos como se você nem tivesse existido. Eu ainda quis te achar no meio do mar, mas de repente já era só o mar. E você foi, como todo mundo vai.

É isso aí, pai: tanta gente te amava. Você sabia? Acho que ninguém te amou tanto como a minha mãe. O amor dela ecoa em mim. Mas, e eu, pai? E eu? Será que eu vou ter a mesma fibra que você? Eu não gosto de viver como você gostava. Eu não tenho a sua coragem. "A poesia, a magia, a arte, as grandes sabedorias não podem habitar corações medrosos." Eu acho que eu vou me vender, pai, eu acho que eu já sou um vendido. Eu só queria ser essencial, essencial como você. É difícil. Eu reclamo. A vida ta uma bosta! Tá difícil de encontrar pessoas essenciais, pai. As pessoas só falam e pensam no que é supérfluo. Eu não tenho assunto. Eu me sinto sozinho. Eu não sei sobre o que escrever. O mundo tá se destruindo, tem muita gente fudida, tem muitas festas e muita fome. Que indecência, pai, que vergonha que eu sinto desse tempo que eu vivo. Eu sei que você não tem saco pra choramingo, pai, mas me deixa desabafar, pai, só hoje, me deixa te falar sobre o sonho dessa gente, você sabe, essa gente, os "homens-pregos", fixos no mesmo lugar. Essa gente quer ter carro, pai, casa com piscina, essa gente quer ser rica e famosa, essa gente quer ser musculosa e quer ter bunda, essa gente diz que acredita em Deus e fode ele, essa gente não quer ser essencial, pai, essa gente... essa é a minha gente, pai, às vezes eu me olho no espelho e me acho parecido com essa gente. Me perdoa.

Um beijo do seu filho, Nado, que ainda usa o nome artístico que a gente inventou juntos: Leo Lama

sexta-feira, 13 de julho de 2012

Só porque a realidade é dura pra quem sonha de olhos fechados, quer dizer que eu tenho que fechar meus olhos?
Eu sou capaz de sonhar com meus olhos abertos, sentindo os cheiros, os gostos, e sensível ao toque.

Eu quero as luzes acesas, sol e lua dentro do meu quarto.
Um eclipse acima de nós.
Com a chuva caindo sobre nossos corpos em cima da cama.

Quero olhar nos olhos e que enxerguem o clarão de minha alma sagitariana em chamas...
Meus olhos queimam, mas é fogo que sai de mim, e não há como não queimar onde encosto.
É só a vida faiscando através de mim.

terça-feira, 12 de junho de 2012

Para o dia dos Namorados Vale muito a pena

Entre as idiotices publicadas no Facebook no dia de hoje uma publicação (apenas uma) chamou minha atenção.
Achei esse texto da Rosemary Urquico ( Texto original: Date a girl who reads) e por sua vez, foi traduzido e adaptado por Gabriela Ventura
 
Meu ponto de vista sobre o texto...
Acho que esse texto aplica-se a homens também.
E admito, no universo feminino há muita mas muita futilidades, futilidade sobre coisas que giram em torno do próprio umbigo... (em pequenas coisas), e no universo masculino, a futilidade está no desejo de conquistar suas ambições mais mesquinhas.
(Como no texto há exceções).

E já que minha amiga BettyFlor, vive dizendo que devo ESCREVER um livro (compartilho a mesma idéia em relação a ela) Então dedico Principalmente a essas mulheres
Betty Ono
Lidiane Barbosa
(e pq não) Jéssica Miranda.



(Direitos abaixo)

Date a girl who reads

Namore uma garota que gasta seu dinheiro em livros, em vez de roupas. Ela também tem problemas com o espaço do armário, mas é só porque tem livros demais. Namore uma garota que tem uma lista de livros que quer ler e que possui seu cartão de biblioteca desde os doze anos.
Encontre uma garota que lê. Você sabe que ela lê porque ela sempre vai ter um livro não lido na bolsa. Ela é aquela que olha amorosamente para as prateleiras da livraria, a única que surta (ainda que em silêncio) quando encontra o livro que quer. Você está vendo uma garota estranha cheirar as páginas de um livro antigo em um sebo? Essa é a leitora. Nunca resiste a cheirar as páginas, especialmente quando ficaram amarelas.

Ela é a garota que lê enquanto espera em um Café na rua. Se você espiar sua xícara, verá que a espuma do leite ainda flutua por sobre a bebida, porque ela está absorta. Perdida em um mundo criador pelo autor. Sente-se. Se quiser ela pode vê-lo de relance, porque a maior parte das garotas que leem não gostam de ser interrompidas. Pergunte se ela está gostando do livro.

Compre para ela outra xícara de café.
Diga o que realmente pensa sobre o Murakami. Descubra se ela foi além do primeiro capítulo da Irmandade. Entenda que, se ela diz que compreendeu o Ulisses de James Joyce, é só para parecer inteligente. Pergunte se ela gosta ou gostaria de ser a Alice.
É fácil namorar uma garota que lê. Ofereça livros no aniversário dela, no Natal e em comemorações de namoro. Ofereça o dom das palavras na poesia, na música. Ofereça Neruda, Sexton Pound, cummings. Deixe que ela saiba que você entende que as palavras são amor. Entenda que ela sabe a diferença entre os livros e a realidade mas, juro por Deus, ela vai tentar fazer com que a vida se pareça um pouco como seu livro favorito. E se ela conseguir não será por sua causa.

É que ela tem que arriscar, de alguma forma.
Minta. Se ela compreender sintaxe, vai perceber a sua necessidade de mentir. Por trás das palavras existem outras coisas: motivação, valor, nuance, diálogo. E isto nunca será o fim do mundo.

Trate de desiludi-la. Porque uma garota que lê sabe que o fracasso leva sempre ao clímax. Essas garotas sabem que todas as coisas chegam ao fim. E que sempre se pode escrever uma continuação. E que você pode começar outra vez e de novo, e continuar a ser o herói. E que na vida é preciso haver um vilão ou dois.

Por que ter medo de tudo o que você não é? As garotas que leem sabem que as pessoas, tal como as personagens, evoluem. Exceto as da série Crepúsculo.

Se você encontrar uma garota que leia, é melhor mantê-la por perto. Quando encontrá-la acordada às duas da manhã, chorando e apertando um livro contra o peito, prepare uma xícara de chá e abrace-a. Você pode perdê-la por um par de horas, mas ela sempre vai voltar para você. E falará como se as personagens do livro fossem reais – até porque, durante algum tempo, são mesmo.
Você tem de se declarar a ela em um balão de ar quente. Ou durante um show de rock. Ou, casualmente, na próxima vez que ela estiver doente. Ou pelo Skype.
Você vai sorrir tanto que acabará por se perguntar por que é que o seu coração ainda não explodiu e espalhou sangue por todo o peito. Vocês escreverão a história das suas vidas, terão crianças com nomes estranhos e gostos mais estranhos ainda. Ela vai apresentar os seus filhos ao Gato do Chapéu [Cat in the Hat] e a Aslam, talvez no mesmo dia. Vão atravessar juntos os invernos de suas velhices, e ela recitará Keats, num sussurro, enquanto você sacode a neve das botas.

Namore uma garota que lê porque você merece. Merece uma garota que pode te dar a vida mais colorida que você puder imaginar. Se você só puder oferecer-lhe monotonia, horas requentadas e propostas meia-boca, então estará melhor sozinho. Mas se quiser o mundo, e outros mundos além, namore uma garota que lê.

Ou, melhor ainda, namore uma garota que escreve.

Texto original: Date a girl who reads – Rosemary Urquico