Jessie Miranda

Minha foto
Até nas flores encontra-se a diferença da sorte; umas enfeitam a vida, outras enfeitam a morte!

sexta-feira, 14 de julho de 2017

Cantiga De Enganar

O mundo não vale o mundo, meu bem. 
Eu plantei um pé-de-sono, 
brotaram vinte roseiras. 
Se me cortei nelas todas 
e se todas me tingiram 
de um vago sangue jorrado 
ao capricho dos espinhos, 
não foi culpa de ninguém. 
O mundo, meu bem, não vale
a pena, e a face serena 
vale a face torturada. 
Há muito aprendi a rir, 
de quê? de mim? ou de nada? 
O mundo, valer não vale. 
Tal como sombra no vale, 
a vida baixa... e se sobe 
algum som deste declive, 
não é grito de pastor 
convocando seu rebanho. 
Não é flauta, não é canto 
de amoroso desencanto. 
Não é suspiro de grilo, 
voz noturna de correntes, 
não é mãe chamando filho, 
não é silvo de serpentes 
esquecidas de morder 
como abstratas ao luar. 
Não é choro de criança 
para um homem se formar. 

(...) 

Não é nem isto, nem nada. 
É som que precede a música,
sobrante dos desencontros 
e dos encontros fortuitos, 
dos malencontros e das 
miragens que se condensam 
ou que se dissolvem noutras 
absurdas figurações. 
O mundo não tem sentido. 
O mundo e suas canções 
de timbre mais comovido 
estão calados, e a fala 
que de uma para outra sala 
ouvimos em certo instante 
é silêncio que faz eco 
e que volta a ser silêncio 
no negrume circundante. 
Silêncio: que quer dizer? 
Que diz a boca do mundo? 
Meu bem, o mundo é fechado, 
se não for antes vazio. 
O mundo é talvez: e é só. 
Talvez nem seja talvez. 
O mundo não vale a pena, 
mas a pena não existe. 
Meu bem, façamos de conta. 
de sofrer e de olvidar, 
de lembrar e de fruir, 
de escolher nossas lembranças 
e revertê-las, acaso 
se lembrem demais em nós. 
Façamos, meu bem, de conta
— mas a conta não existe — 
que é tudo como se fosse, 
ou que, se fora, não era. 
Meu bem, usemos palavras. 
façamos mundos: idéias. 
Deixemos o mundo aos outros 
já que o querem gastar. 
Meu bem, sejamos fortíssimos 
— mas a força não existe — 
e na mais pura mentira 
do mundo que se desmente, 
recortemos nossa imagem, 
mais ilusória que tudo, 
pois haverá maior falso 
que imaginar-se alguém vivo,
como se um sonho pudesse 
dar-nos o gosto do sonho? 
Mas o sonho não existe. 
Meu bem, assim acordados, 
assim lúcidos, severos, 
ou assim abandonados, 
deixando-nos à deriva 
levar na palma do tempo 
— mas o tempo não existe, 
sejamos como se fôramos 
num mundo que fosse: o Mundo

(Carlos Drummond de Andrade)

quinta-feira, 6 de julho de 2017

ACENO

Essa escrita abaixo não é minha, mas, talvez fale de mim em uma época em que só havia sentimento sem estado.
Mas se o sentir é vivo, existia em cada caractere das lindas e das lágrimas que acariciavam seu rosto quando eu não podia.
Hoje, tomo seu texto para dar voz ao meu peito.

________________________________________

Fica esse desconforto de se projetar à frente uma paixão cansada de se apaixonar, imersa na sensação de já ter encontrado seu porto definitivo e se afogado nas âncoras da sua própria vastidão. Fica essa desesperança, esse mormaço quente a fechar os poros para as ventanias do futuro. Fica essa fé efetiva aos crédulos e endurecidos do mundo, mas impotente aos poetas, aos loucos, aos amores, aos poetas loucos de amar.

Fica esse impulso de jogar a vida ao alto, sem me lembrar de que esta, há muito, já se atirara ao solo, os braços em forma de asa amputada. Fica essa sensação quase palpável do calor de uma respiração ofegante do passado, que dia a dia vai se partindo, a cada suspiro de saudade solto diante de uma frase, uma carta, de uma foto, esse pedaço de vida enquadrado. Fica essa vontade enjaulada, essa fera em descontrole, essa festa na masmorra.

Fica essa falta de adjetivos na boca e esse excesso de poesia nas carícias que não são de ninguém. Fica essa dor de crucificado, esse corpo atirado ao leito da insônia. Fica essa vida que persiste em viver, que não me abandona, nem me responde aos apelos. Fica esse telefone mudo, essa chave que não gira, essa porta que não range.

Fica essa inutilidade em escrever, essa insignificância de ser, essa perda de valor dos anéis, esse lamento pelos dedos que se foram. Fica esse boa-noite parco, esse abraço fosco, esse beijo seco, esse entrelaçar irrisório, essa prosa sem vontade. Fica essa vida besta de Drummond, essa metrópole travestida em cidadezinha qualquer.

Fica essa mesa cheia de contas, esse copo cheio de uma bebida que até então me era estranha, esse choro baixo. Fica essa mão estendida, esse lábio entreaberto e calado diante da falta de opções, esse presente despido de qualquer ansiedade.

Fica essa casa sonolenta, esse filme sem enredo, essa falta de atenção, esse dinheiro que sobra para tudo e é como se não sobrasse para nada. Fica esse consolo da solidão, inevitável redentora, mãe de todos os descrentes, a trazer nos braços serenos os motivos, os porquês, as regras de uma vida que não se explica por si mesma. Fica esse pacto com a morte, essa velha dama de botas escurecidas, que ri sarcasticamente da glória do meu desencontro, sem desconfiar que já se tornara, desde então, minha única amante.

ACENO
Por: Eric Brandão.

sábado, 17 de junho de 2017

Inteira

30/04/2014
Porque durante muito tempo eu era justamente o que me faltava.
E, achando-me, completei as lacunas que só poderiam ser preenchidas de mim; comigo.  Por mim. #fragmentos

sexta-feira, 14 de abril de 2017

Sobre os copos dos corpos.

Das sobras de um copo quase vazio, jogado em um canto.
Há um coração esquecido. Largado.
Após bebericar todos os sentimentos que nele haviam.

De sentimentos; embriaguei-me.

(Escrito em 14/04/2015. Editado).

terça-feira, 7 de fevereiro de 2017

Lua

E ela, que dormia encostada na vidraça do coletivo em movimento, semicerrou seus olhos e deparou-se com a magnitude do seu amor. A lua.
E a desta noite,  ela que, mesmo sem ter aproveitado o seu dia, mesmo tendo dedicado toda sua boa energia à outras pessoas, que provavelmente não verá nunca mais.
Ela, por três segundos, aproveitou sua noite, por causa da lua.
De todos seus amores, a primícia de todos eles vêm da LUA AMARELA e, por amá-la desta forma, esta noite amou tudo que está em seu coração, suspirou, fechou os olhos e dormiu novamente, pois lá, exatamente lá, nos sonhos, onde a lua está sempre como ela ama, amarela e majestosa, ela encontra seus amores, enlaça-os num laço de nó. Eternamente.

Até os que já se foram, que partiram para sempre, e vivem através do amor, essa saudade ardente.

Por: Jéssica Miranda.
(07/02/2015)

quinta-feira, 5 de janeiro de 2017

As minhas asfixias,
Surgem quando mergulho.
Acidentalmente.
No meu oceano mais profundo.

Das minhas asfixias,
Que se dão quando enxergo a linha do horizonte e nada vejo,
Mas é tamanha sua magnitude,
Que desperta-me grandiosos sentimentos.

Guardados a sete chaves.
Até de mim.

Por: Jéssica Miranda
____________________________________

quarta-feira, 4 de janeiro de 2017

O que permitiremos da vida para nós!?
O que poderá ser efêmero, um instante, momentâneo...
Decerto que os pequenos instantes de alegria, euforia, contentamento no que quer que tenhamos prazer, é um néctar para a alma.
Porém, não é na embriaguez, mas na ressaca, que encontramos a reflexão sobre quem somos. Ou quem desejamos ser.