Jessie Miranda

Minha foto
Até nas flores encontra-se a diferença da sorte; umas enfeitam a vida, outras enfeitam a morte!

sexta-feira, 14 de abril de 2017

Sobre os copos dos corpos.

Das sobras de um copo quase vazio, jogado em um canto.
Há um coração esquecido. Largado.
Após bebericar todos os sentimentos que nele haviam.

De sentimentos; embriaguei-me.

(Escrito em 14/04/2015. Editado).

terça-feira, 7 de fevereiro de 2017

Lua

E ela, que dormia encostada na vidraça do coletivo em movimento, semicerrou seus olhos e deparou-se com a magnitude do seu amor. A lua.
E a desta noite,  ela que, mesmo sem ter aproveitado o seu dia, mesmo tendo dedicado toda sua boa energia à outras pessoas, que provavelmente não verá nunca mais.
Ela, por três segundos, aproveitou sua noite, por causa da lua.
De todos seus amores, a primícia de todos eles vêm da LUA AMARELA e, por amá-la desta forma, esta noite amou tudo que está em seu coração, suspirou, fechou os olhos e dormiu novamente, pois lá, exatamente lá, nos sonhos, onde a lua está sempre como ela ama, amarela e majestosa, ela encontra seus amores, enlaça-os num laço de nó. Eternamente.

Até os que já se foram, que partiram para sempre, e vivem através do amor, essa saudade ardente.

Por: Jéssica Miranda.
(07/02/2015)

quinta-feira, 5 de janeiro de 2017

As minhas asfixias,
Surgem quando mergulho.
Acidentalmente.
No meu oceano mais profundo.

Das minhas asfixias,
Que se dão quando enxergo a linha do horizonte e nada vejo,
Mas é tamanha sua magnitude,
Que desperta-me grandiosos sentimentos.

Guardados a sete chaves.
Até de mim.

Por: Jéssica Miranda
____________________________________

quarta-feira, 4 de janeiro de 2017

O que permitiremos da vida para nós!?
O que poderá ser efêmero, um instante, momentâneo...
Decerto que os pequenos instantes de alegria, euforia, contentamento no que quer que tenhamos prazer, é um néctar para a alma.
Porém, não é na embriaguez, mas na ressaca, que encontramos a reflexão sobre quem somos. Ou quem desejamos ser.